Se você vende seu voto, a cidade paga caro

29/07/2019

 

Não é de hoje que pessoas sem escrúpulos vão para a política em nossa cidade. 
Seres vazios e com a mínima vontade de fazer algo para a população. Se elegem na base do toma lá dá cá. Embora proibido, é uma pratica em nossa cidade, infelizmente. Ainda é muito comum pessoas transformarem seu voto em mercadoria, trocando-o por benefícios individuais e pouco éticos, além de ilegal.
A importância de realizarmos um voto consciente é fundamental para que sejamos uma cidade melhor, onde a população possa confiar nos seus representantes e receber tudo aquilo que precisa para uma vida de qualidade.
Um dos critérios para que o voto seja consciente é depositá-lo naquele candidato, cujas propostas você realmente se identifica. Aquele nome que você tem orgulho de indicar aos seus conhecidos, por se tratar de um candidato ético, competente e com propostas de altíssima qualidade.
A compra de votos ainda é uma prática bastante recorrente em parte do eleitorado. Quem nunca ouviu falar de alguém que trocou o voto por cesta básica, gasolina, materiais de construção e o tão famoso churrasquinho? 
Além das promessas de serviço, inflando, dessa forma, a máquina pública, deixam o orçamento da cidade comprometido com o funcionalismo.
Ao tratar seu voto como uma mercadoria, você ajuda a eleger alguém que usou de métodos imorais e ilegais para chegar ao poder. Sabendo disso, você acha que esse representante não repetirá esse comportamento depois que está eleito?
Ao colaborar com esse tipo de prática, você eleitor ainda abre mão do seu papel de cidadão e permite que um governante corrupto tome decisões que influenciarão sua vida e a de todos os outros cidadãos. 
E não é só o representante que se elege de forma corrupta. Ao vender seu voto, você se torna uma pessoa corrupta também.
Vamos analisar as seguintes situações: entre ganhar um tanque de gasolina agora e uma faculdade na sua cidade daqui a quatro anos, o que você escolheria? Entre uma cesta básica agora e maiores investimentos em educação nos próximos anos, qual opção você prefere? 
Nos dois casos, quando você opta pela primeira opção, está abrindo mão da segunda, já que elegendo uma pessoa corrupta deixa de eleger alguém comprometido com o bom funcionamento dos serviços públicos.
Se as consequências sociais e políticas não foram suficientes para lhe convencer a não vender seu voto, saiba que ao negociar seu voto com um candidato ou intermediário dele (ou ainda, agir como intermediário de um candidato ao tentar comprar votos de outros eleitores), você está infringindo a lei.
Corrupção eleitoral é um crime que está previsto no artigo 299 do Código Eleitoral (lei nº 4.737/1965). Nesse artigo, define-se corrupção eleitoral como: “Dar, oferecer, prometer, solicitar ou receber, para si ou para outrem, dinheiro, dádiva, ou qualquer outra vantagem, para obter ou dar voto e para conseguir ou prometer abstenção, ainda que a oferta não seja aceita”.
Nessa lei, são considerados culpados tanto aquele que compra voto quanto aquele que o vende. No caso, aquele que compra é acusado de corrupção ativa e aquele que vende é acusado de corrupção passiva.
A compra de votos é uma das situações que se enquadram nas condições de inelegibilidade apontadas pela Ficha Limpa.
Quando político sem vergonha compra seu voto, ele está comprando seu futuro. 
Se você eleitor recebe, por exemplo, em valores, 200 reais para votar nesse candidato(a), nos 48 meses são 1440 dias de mandato desse político. Seu voto vale por dia R$ 0,13 (Treze centavos) E por esse montante, você eleitor, está assinando o “andar para trás” da cidade.
Todo dinheiro que é distribuído em campanha lhes será tirado quando o candidato estiver no exercício do mandato.
Se você não quer que uma pessoa corrupta tenha o poder de decidir seu destino durante quatro anos, não venda seu voto. E caso presencie alguma situação de compra ou venda de voto envolvendo outras pessoas, saiba que você pode fazer sua parte de cidadão e denunciá-la. 
Só existem políticos safados porque o eleitor desce ao nível deles.
Por isso, não venda, não troque, não negocie seu voto. 
Se você vende seu voto, a cidade paga caro. 

 


 

Please reload

O POVO TV

siga o Jornal O POVO
  • Facebook B&W
 POSTS recentes: 
Please reload

 procurar por TAGS: 
Please reload

Lilia Cristina da Silva Anastácio Edição de Jornais - ME. | Av. Santos Dumont, nº 1833 | Bairro Aeroporto | Barretos – SP | CEP 14783-115 | Tel: 17 3323.4960

© 2019 - Jornal O Povo Online - Todos os direitos reservados. Max Neves

  • Facebook B&W