Henrique Prata afirma na VEJA que existe todo um sistema para destruir o SUS

21/01/2019

TRÊS REUNIÕES com as presidências do BNDES, da Petrobrás e do Banco do Brasil, no Rio de Janeiro, fizeram o empresário paulista, Henrique Prata, chegar uma hora e meia atrasado para esta entrevista. Calmo, justificou-se: “Pedi a eles que me colocassem, o mais rápido que pudessem, na grade de seus beneficiários. Estou precisando muito de dinheiro”. O pedido (receber o equivalente a 1% do valor do imposto de rendas dessas empresas) destina-se aos seis hospitais, nove clínicas e 22 unidades móveis de atendimento que Prata mantém em oito estados do país, todos com atendimento absolutamente gratuitos. Entre ele está o tradicional Hospital de Câncer, em Barretos, recentemente batizado de Hospital de Amor. Desde a década de 80, a vida de Prata, hoje com 66 anos, é pedir dinheiro para sustentar seus centros médicos - que o tornou, a um só tempo, um grande filantropo e um crítico feroz do sistema de saúde no Brasil. Para ele, a crise na saúde pública tem um responsável direto. “A medicina privada drenou os recursos públicos para si mesma, e quem paga o pato é povo”, diz. O texto acima é de autoria da jornalista Adriana Dias Lopes, e está publicado na edição semanal da Revista Veja, além do site, seguido de uma entrevista completa com Henrique Prata e sugerida por nós, do Jornal O POVO, aos nossos leitores e seguidores nas redes sociais. 

 

 

Please reload

O POVO TV

siga o Jornal O POVO
  • Facebook B&W
 POSTS recentes: 
Please reload

 procurar por TAGS: 
Please reload

Lilia Cristina da Silva Anastácio Edição de Jornais - ME. | Av. Santos Dumont, nº 1833 | Bairro Aeroporto | Barretos – SP | CEP 14783-115 | Tel: 17 3323.4960

© 2020 - Jornal O Povo Online - Todos os direitos reservados. Max Neves

  • Facebook B&W