Política

Pesquisa e cancelamento de debate agitam redes sociais e candidatos na eleição municipal



A impugnação parcial de uma pesquisa eleitoral divulgada na imprensa barretense e o cancelamento de um debate que seria realizado pela Vale TV entre candidatos a prefeito de Barretos, foram motivos de indignação e de longos embates entre apoiadores dos candidatos nas redes sociais facebook e whatsapp nesta semana.

O Jornal de Barretos registrou na última quinta-feira (22) a imagem de um grupo de pessoas, dentre elas, candidatos a prefeito, em busca de uma reunião com a direção da TV, na noite da quarta (21), data em que ocorreria o debate cancelado.

O objetivo era a busca de uma “explicação plausível e convincente” para o cancelamento, já que o convite e agendamento da data foram feitos já no período de pandemia, não justificando, segundo os presentes, a explicação de que o cancelamento seria para evitar aglomeração, devido à pandemia, e a cidade de Barretos ter sido “regredida” pelo Estado para a fase laranja, o que impediria a realização do evento.

Nesta sexta-feira (23), o advogado Edson Flausino Silva Júnior, vice-presidente da Vale TV, afirmou que a emissora irá realizar o debate com os oito candidatos a prefeito de Barretos. O anúncio foi feito durante o Jornal do Meio Dia,exibido pela TV.

Flausino Júnior disse também que nesta sexta (23), iria manter uma reunião com os representantes dos partidos e candidatos, para definição de nova data, horário e local.

Uma das justificativas dadas pelo vice-presidente da Vale TV é que o estúdio da emissora é pequeno para receber os oito candidatos e a distância não seria segura de um pupito para outro, além dos câmeras, equipe de apoio, assistência e um assessor de cada candidato.

“O debate irá ocorrer e obviamente que ninguém quis trazer benefício e tampouco prejuízo para algum candidato”, reforçou o advogado.

PESQUISA
Com relação à pesquisa, a impugnação parcial se deu após pedido feito pelo advogado da coligação “A Força que Constroi”, Washington Rocha de Carvalho, junto à Justiça Eleitoral. O advogado classificou a publicação de tendenciosa e prejudicial à candidatura da coligação que ele representa. “De forma injustificável, houve o emprego de metodologias diferentes dentro da própria pesquisa, à medida que elaboraram a ordem dos nomes dos candidatos de forma diferente para cada pergunta, o que induz o entrevistado em confusão e erro”, explicou o advogado. “Ainda no levantamento, foi verificado que a pesquisa foi realizada em bairros como S. Domingos, Distrito Bosco, Campos, Vilanova e Santa Clara, que simplesmente não existem em Barretos, mostrando-se uma pesquisa completamente irregular e tendenciosa para prejudicar a candidata da coligação A Força que Constroi”, segundo o advogado


Mais sobre Política